Gratis! Receber atualizações e novidades por e-mail

Clique em curtir-nos no facebook

terça-feira, 8 de julho de 2014

O outro lado de ‘O Mágico de Oz’


22281ozthe-wizard-of-oz-posters2
 Com a sua história memorável e seu elenco de personagens coloridos, o Mágico de Oz se tornou rapidamente um clássico americano. Mais de um século depois do lançamento desse livro, as crianças estão, por toda parte do mundo, ainda encantadas com as maravilhas de Oz. Poucos, entretanto,
reconhecem que, sob sua aparente simplicidade, a história do Mágico de Oz esconde profundas verdades esotéricas inspiradas pela Teosofia. Aqui, vamos ver o significado oculto de o Mágico de Oz e a história de seu autor.

Apesar de o Mágico de Oz ser amplamente percebido como um conto de fadas de crianças inocentes, é quase impossível não atribuir um significado simbólico para a busca de Dorothy. Como em todas as grandes histórias, os personagens e os símbolos do Mágico de Oz podem ser dados em uma segunda camada de interpretação, que pode variar dependendo da percepção do leitor. Muitas análises apareceram ao longo dos anos, descrevendo a história como um “Manifesto Ateísta”, enquanto outros a viram como uma promoção do populismo. É através de uma compreensão da história filosófica do autor e crenças, porém, que o verdadeiro significado da história pode ser apreendido.

L. Frank Baum, autor de O Mágico de Oz era um membro da Sociedade Teosófica, que é uma organização baseada em pesquisa do ocultismo e do estudo comparado das religiões. Baum tinha uma profunda compreensão da Teosofia e, conscientemente ou não, criou uma alegoria dos ensinamentos teosóficos quando ele escreveu o Mágico de Oz.


O que é Teosofia?
theosophy-seal-green1


A Sociedade Teosófica é uma organização oculta, principalmente baseada nos ensinamentos de Helena P. Blavatsky, que visa extrair as raízes comuns de todas as religiões a fim de formar uma doutrina universal.



“Mas talvez seja conveniente afirmar inequivocamente que os ensinamentos, porém fragmentados e incompletos, contidos nestes volumes, não pertencem nem aos hindus, ao zoroastrismo, ao astrólogo, nem a religião egípcia. Nem o budismo, o islamismo, o judaísmo nem o cristianismo exclusivamente. A Doutrina Secreta é a essência de todas elas. Voltando em suas origens, os diversos regimes religiosos são feitos para fundir ao seu elemento original, do qual cada mistério e dogma cresceu, se desenvolveu e se concretizou.” H.P. Blavatsky, The Secret Doctrine



Os três objetos declarados da Sociedade Teosófica original, estabelecido por Blavatsky, Olcott e Judge (seus fundadores) foram os seguintes:



“Primeiro – Formar um núcleo da Fraternidade Universal da Humanidade, sem distinção de raça, credo, sexo, classe ou cor.

Segundo – Incentivar o estudo de Religião Comparada, Filosofia e Ciência.

Terceiro – Investigar as leis não explicadas da Natureza e os poderes latentes no homem “. - The Theosophist, vol 75, No 6



Helena_Petrovna_Blavatsky4
H.P. Blavatsky


Os grandes princípios da Teosofia estão descritos minuciosamente  nas obras de Blavatsky “Ísis Revelada” e “A Doutrina Secreta”. No núcleo dos ensinamentos teosóficos são os mesmos princípios encontrados em muitas outras escolas de ocultismo: a crença da existência de uma “centelha divina” dentro de cada pessoa que, com a disciplina e treinamento adequado, pode levar à iluminação espiritual e um estado de divindade virtual.

Outro princípio importante encontrado na Teosofia é a reencarnação. Acredita-se que a alma humana, como todas as outras coisas no universo, passam por sete estágios de desenvolvimento.



“Escritos teosóficos propõem que as civilizações humanas, como todas as outras partes do universo, desenvolvem ciclicamente através de sete etapas. Blavatsky postulou que toda a humanidade, e certamente cada mônada reencarnante humana, evolui através de uma série de sete “Raças Raízes”. Assim, na primeira idade, os seres humanos eram puro espírito, na segunda idade, eram seres assexuados que habitam o continente perdido agora de Hiperbórea; na terceira idade os lêmures gigantes foram informados por impulsos espirituais dotando-os com a consciência humana e da reprodução sexual.

Os seres humanos modernos, finalmente, desenvolveram no continente da Atlântida. Uma vez que a Atlântida foi o ponto mais baixo do ciclo, a  quinta idade presente é um momento de despertar dons psíquicos da humanidade. A expressão psíquica aqui realmente significa a realização da permeabilidade da consciência, uma vez que não era conhecida no início da evolução, embora sentida por algumas pessoas mais sensíveis de nossa espécie.”



O objetivo final é, naturalmente, retornar ao estado de divindade a partir do qual nós teríamos emergido. Os mesmos princípios (com variações sutis) pode ser encontrado em outras escolas de mistérios, como Rosacrucianismo, Maçonaria e outras ordens que ensinam os Mistérios.



L. Frank Baum, Um Teósofo Notável
Baum_19112


Antes de escrever o Mágico de Oz (ou mesmo contemplando a tornar-se um autor de histórias infantis), Baum realizou muitos trabalhos – uma das quais foi editor do Aberdeen Saturday Pioneer. Em 1890, Baum escreveu uma série de artigos que introduz seus leitores a Teosofia, incluindo a sua opinião sobre Buda, Maomé, Confúcio e Jesus Cristo. Naquela época, ele não era membro da Sociedade Teosófica, mas ele já demonstrava um profundo entendimento de sua filosofia. Aqui está um trecho de seu “Editor’s Musings”:


“Entre as várias seitas tão numerosas na América de hoje que encontra a sua base fundamental do ocultismo, a Teosofista está pré-eminente tanto na inteligência e no ponto de números. A Teosofia não é uma religião. Seus seguidores são simplesmente “buscadores da verdade”. Os teosofistas, na verdade, são os insatisfeitos com o mundo, os dissidentes de todos os credos. Eles devem sua origem aos sábios da Índia, e são numerosos, não só no Oriente distante, famoso e místico, mas na Inglaterra, França, Alemanha e Rússia.

Eles admitem a existência de um Deus – não necessariamente de um Deus pessoal. Para eles, Deus é a Natureza e a Natureza de Deus… Mas, apesar disso, se o Cristianismo é a Verdade, como nossa educação nos ensinou a acreditar, não pode haver nenhuma ameaça a ele na Teosofia”. - L. Frank Baum, Aberdeen Saturday Pioneer, January 25th 1890



Em outra de suas “Editor’s Musings”, Baum discute o uso do simbolismo místico na ficção, algo que ele realizou dez anos mais tarde, com o Mágico de Oz:



“Há uma forte tendência em romancistas modernos para a introdução de alguma veia do misticismo ou ocultismo em seus escritos. Livros desta natureza são avidamente comprados e lidos pelas pessoas, tanto na Europa e América. Ele mostra o desejo inato em nossa natureza para desvendar o misterioso: a procurar alguma explicação, porém fictícia, do inexplicável na natureza e na nossa existência diária. Pois, como avançamos na educação, o nosso desejo de conhecimento aumenta, e estamos menos satisfeitos em permanecer na ignorância do que o misterioso manancial de onde emana tudo o que é sublime e grandioso e incompreensível na natureza.”



No final deste artigo, Baum entra em uma súplica por mais ocultismo na literatura:



“O apetite do nosso tempo pelo ocultismo requer ser satisfeito, e ao mesmo tempo com a mediocridade das pessoas irá resultar em sensacionalismo, levará  em muitos a um pensamento  muitos mais alto e mais nobre e mais ousados, e quem pode dizer o que esses mistérios corajosos podem se desvendar em idades futuras?” - L. Frank Baum, Aberdeen Saturday Pioneer, February 22nd 1890



Dois anos depois de escrever esses artigos, L. Frank Baum e sua esposa Maud Gage aderiram a Sociedade Teosófica, em Chicago. Os arquivos da Sociedade Teosófica, em Pasadena, Califórnia, registrou o início da sua pertença em 4 de setembro de 1892. Dois anos antes, o Mágico de Oz, foi publicado. Quando perguntado sobre como Baum teve sua inspiração para a história, ele respondeu:



“Foi pura inspiração… Veio-me para mim dessa forma. Eu acho que às vezes que aquele grande autor tem uma mensagem que quer transmitir e que Ele tem para utilizar o instrumento em mão. Aconteceu de eu ser aquele médium, e acredito que a chave mágica me foi dada para abrir as portas a solidariedade e compreensão, alegria, paz e felicidade.” - L. Frank Baum, cited by Hearn 73



O Mágico de Oz é muito apreciado no âmbito da Sociedade Teosófica. Em 1986, a revista americana teosofista reconheceu Baum como “um teosofista notável”, que bem representou a filosofia da organização.



“Embora os leitores não olhem em seus contos de fadas pelo seu conteúdo Teosófico, é significativo que Baum se tornou um famoso escritor de livros infantis, depois que ele entrou em contato com a teosofia. Idéias teosóficas permeiam seu trabalho e serviram de inspiração para ele. Na verdade, o Mágico pode ser considerado como uma alegoria Teosófica, permeado por idéias teosóficas do começo ao fim. A história veio à Baum como uma inspiração, e ele aceitou com um certo temor como um dom de fora, ou talvez de dentro, ele mesmo.” - American Theosophist no 74, 1986



Então, qual é o significado esotérico dessa história infantil, que veio a Baum como uma “inspiração divina”?



O Significado Oculto de O Mágico de Oz
Mágico de Oz Illuminati
Caminho para a “iluminação”


Se você nunca leu ou assistiu “O Mágico de Oz” ou precisa dar um relembrada, aqui vai um rápido resumo do filme:



O filme fala de uma menina de fazenda de 12 anos de idade, Dorothy Gale (Judy Garland), que vive em uma fazenda no Kansas com sua tia Em e tio Henry, mas sonha com um lugar melhor,  “Somewhere Over The Rainbow” (Algum lugar além do arco-íris). Depois de ser golpeada inconsciente durante um tornado por uma janela que se soltou de sua moldura, Dorothy sonha que ela, seu cachorro Totó e a casa são transportados para a terra mágica de Oz.

Lá, a Bruxa Boa do Norte, Glinda (Billie Burke), aconselha Dorothy a seguir a estrada dos tijolos amarelos para a Cidade Esmeralda e encontrar o Mágico de Oz, que pode devolvê-la para o Kansas. Durante sua jornada, ela encontra um Espantalho (Ray Bolger), um homem de lata (Jack Haley) e Leão Covarde (Bert Lahr), que se juntam a ela, na esperança de receber o que lhes falta a si mesmos (um cérebro, um coração e coragem, respectivamente ). Tudo isso é feito ao mesmo tempo, tentando evitar a Bruxa Malvada do Oeste (Margaret Hamilton) que procura conseguir os sapatos de rubi que estão com Dorothy, que recebeu de Glinda.




Toda a história do Mágico de Oz é um conto alegórico do caminho da alma para a iluminação – a Estrada de Tijolos Amarelos. No budismo (uma parte importante dos ensinamentos teosóficos) o mesmo conceito é referido como o “Caminho Dourado”.

A história começa com Dorothy Gale vivendo em Kansas, que simboliza o mundo material, no plano físico, onde cada um de nós começamos a nossa jornada espiritual. Dorothy sente um desejo de “passar por cima do arco-íris”, para chegar ao reino etéreo e seguir o caminho para a iluminação. Ela basicamente “passou do Nadir”, demonstrando a necessidade de buscar uma verdade maior.

Dorothy é então trazida a Oz por um ciclone gigante de espiral ascendente, representando os ciclos de karma, o ciclo de erros e lições aprendidas. Também representa a crença na reencarnação teosófica, o ciclo de nascimentos e mortes física de uma alma, até que está apta para se tornar divina. Também é interessante notar que a Estrada de Tijolos Amarela de Oz começa como uma espiral em expansão externo. No simbolismo oculto, esta espiral representa a auto-evolução, a alma ascendente a partir da matéria no mundo espiritual.


Mágico de Oz Illuminati 2
O início espiral do caminho espiritual


Aqui está uma explicação da espiral como um símbolo oculto:



“Espiral: O caminho de um ponto (geralmente plano) que se move em torno de um eixo enquanto continuamente se aproxima ou se afasta dela, também usado frequentemente para uma hélice, que é gerada pela composição de um movimento circular em uma linha reta. A hélice é uma ilustração do curso da evolução, que traz consigo o movimento em direção ao mesmo ponto, mas sem repetição.

A serpente, e os números 8 e, denotando a Ogdoad e infinito, significam o movimento em espiral cíclico. O curso de Fohat no espaço é em espiral, e espírito desce à matéria em cursos de espiral. Repetindo o processo pelo qual uma hélice é derivado de um círculo produz um vórtice. As complicadas espirais da evolução cósmica trazem o movimento de volta ao ponto em que começou com o nascimento de uma era cósmica.” - The Encyclopedic Theosophical Glossary



Antes de iniciar sua jornada, Dorothy é dada os “sapatos de prata”, que representam o “cordão prateado” das Escolas de Mistério (Dorothy estava usando sapatos de rubi no filme devido a uma mudança de última hora pelo diretor, que pensou que a cor rubi cairia melhor contra a Estrada de Tijolo Amarela). Em escolas de ocultismo, o cordão de prata é considerado o elo entre o nosso material e o eu espiritual.



“Na Teosofia, um corpo físico e um corpo astral são conectados através de um “cordão de prata”, uma ligação mítica inspirada por uma passagem na Bíblia que fala de um retorno de uma busca espiritual. “Ou o cordão de prata sempre será solto”, diz o livro de Eclesiastes, em seguida, o pó volta à terra como era, e o espírito volte a Deus que o deu”.

Na escrita do próprio Frank Baum, o cordão de prata da viagem astral iria inspirar os sapatos prateados que conferem poderes especiais a quem os usa”. - Evan I. Schwartz, Finding OZ: How L.Frank Baum Discovered the Great American Story



Durante sua jornada pela estrada de tijolos amarelos, Dorothy encontra o Espantalho, o Lenhador de Lata e o Leão Covarde, que estão, respectivamente, à procura de um cérebro, um coração e coragem. Os personagens estranhos encarnam as qualidades necessárias pelos iniciados a fim de completar sua jornada para a iluminação. Baum foi provavelmente inspirado por essas palavras de Miss Blavatsky:



“Não há perigo de que a intrépida coragem não pode conquistar, não há prova de que uma pureza imaculada não consegue passar, não há dificuldade que um intelecto forte não possa superar” - H.P. Blavatsky



Depois de superar muitos obstáculos, o grupo finalmente chega a cidade esmeralda, a fim de encontrar o Mágico de Oz.


O Mágico
Mágico de Oz Illuminati 3


Cercado por artifícios e efeitos especiais, o Mágico surge como cruel, rude e imprudente. O Mágico é de fato uma representação de Baum sobre o Deus dos cristãos e os judeus, a figura que eles veem como opressora para manter as massas na escuridão espiritual. No filme, mais tarde descobriu-se que o Mágico é uma farsa, um charlatão, que assusta as pessoas a lhe adorar. Ele certamente não poderia ajudar os personagens completar a sua missão. Se você ler a literatura das escolas de mistério, este ponto de vista em relação ao cristianismo é expresso constantemente.


Mágico de Oz Illuminati 4
O mágico não é um mágico, mas uma pessoa usando efeitos especiais


Depois de tudo dito e feito, o cérebro , o coração e a coragem necessária para completar a missão, Dorothy, Espantalho, O homem de Lata e o Leão tem as missões encontradas dentro de cada um deles. As escolas de Mistérios sempre ensinaram seus alunos que devem confiar em si mesmo para obter a salvação. Ao longo da história de Dorothy, o cão Toto representa sua "voz interior", sua intuição. Aqui está uma descrição de Toto tirada do site da Sociedade Teosófica:



"Toto representa o intuitivo instintivo, a parte mais interna, o animal semelhante a um de nós. Durante todo o filme , Dorothy tem conversas com Toto, ou seu eu intuitivo interior. A lição aqui é para ouvir o Toto interior. Neste filme, Toto nunca estava errado. Quando ele late para o Espantalho, Dorothy tenta ignorá-lo: "Não seja bobo, Toto. Espantalhos não falam." Mas espantalhos falam em Oz.

Toto também late para o pequeno homem por trás da cortina. É ele quem mostra que o Mágico é uma fraude. No Gale Farm e novamente no castelo, a bruxa tenta colocar Toto em uma cesta. Que é a sombra vai tentar bloquear ou conter o intuitivo. Em ambos os casos, Toto salta para fora do cesto e escapa. Nossa voz intuitiva pode ser ignorada, mas não suficiente.

Na última cena, Toto persegue um gato, causando Dorothy a correr atrás dele e, portanto, a falta dela no passeio de balão. Isto é o que leva à transformação final de Dorothy , à descoberta de seus poderes internos. O passeio de balão é representativa da religião tradicional, com um assistente mau das pernas prometendo uma viagem para o Divino. Toto estava certo forçando Dorothy para fora do balão, caso contrário, ela nunca poderia ter encontrado a sua magia. Esta é uma chamada para que possamos ouvir a nossa intuição, nossos sentimentos internos, esses pedaços momentâneos de imaginação que aparecem aparentemente do nada".



Como dito acima, o Mágico falso convida Dorothy para seu balão para voltar ao Kansas, seu destino final. No entanto, ela segue Toto (sua intuição) e sai do balão, que representa para Baum as promessas vazias de religiões organizadas. Isto leva a sua revelação final e, com a ajuda da Bruxa Boa do Norte (seu guia divino), ela finalmente entende: tudo o que ela sempre quis pôde ser encontrado "em seu próprio quintal".

Para obter iluminação, Dorothy teve que vencer as bruxas malvadas do Oriente e do Ocidente - que estavam formando um eixo horizontal mal: o mundo material. Ela foi sábia em ouvir os conselhos das boas bruxas do Norte e do Sul - o eixo vertical: a dimensão espiritual.


Mágico de Oz Illuminati 5
A Bruxa Boa do Norte, o que representa "centelha divina" de Dorothy


No final da história, Dorothy acorda no Kansas: ela combinou com sucesso a sua vida física e espiritual. Ela agora está confortável para ser ela mesma novamente e, apesar de sua família (o profano ignorante para a Teosofia nesse caso) não estar realmente acreditando sobre os detalhes de sua busca, ela pode finalmente dizer: "Não há lugar como o lar".


O Mágico de Oz no Controle da Mental Monarca


Quase toda a documentação relativa ao projeto MK Ultra e o Controle Mental Monarca mencionam a importância de O Mágico de Oz. Em 1940, a história teria sido escolhida por membros da comunidade de inteligência dos EUA para fornecer uma base temática para o seu programa baseado no trauma de controle da mente. O filme foi editado e dado um sentido diferente, a fim de usá-lo como uma ferramenta para reforçar a programação nas vítimas. Aqui estão alguns exemplos retirados de ‘Total Mind Control Slave’ de Fritz Springmeier:



- A relação estreita entre a Dorothy e seu cachorro é uma ligação muito sutil entre o uso de animais em cultos satânicos. A criança escrava monarca é permitida ter a ligação com um animal de estimação. A criança vai querer se relacionar com um animal de estimação de qualquer maneira porque as pessoas são terríveis para ela por este ponto. Em seguida, o animal é morto para traumatizar a criança.

- Escravos Monarcas são ensinados a “seguir a estrada de tijolos amarelos.” Não importa que coisas assustadoras venham frente, o escravo monarca deve seguir a Estrada de Tijolos Amarela, que é estabelecida antes dela por seu mestre.

- O arco-íris com suas sete cores, há muito tempo tem o significado oculto de ser um dispositivo hipnótico espiritual.

- Dorothy está à procura de um lugar onde não há nenhum problema, que é um lugar “Além do Arco-Íris”. Para escapar da dor, os escravos passam por cima do arco-íris. (Isto é também conhecido em Alice no País das Maravilhas como “indo através do espelho”).



“Um lugar além do arco-íris” é provavelmente a música mais dissociativa já escrita e muitas vezes é jogada nos filmes durante os eventos violentos ou traumatizantes (veja o filme A Outra Face). O estranho efeito produzido, onde a violência não parece mais real, é exatamente como a dissociação funciona sobre as vítimas de controle mental.

Também deve-se notar que a cena em que Dorothy cai no sono em um campo de papoula é uma referência ao uso de heroína para relaxar e manipular as vítimas de controle mental. Além disso, considere a neve caindo do céu que desperta o sono de Dorothy. Seria esta uma referência à cocaína?


Mágico de Oz Illuminati 6
Será que isso representa a heroína?



Conclusão


Histórias alegóricas transmitem as verdades espirituais que existiram desde os primórdios do homem. Essas histórias simples, mas extremamente profundas foram encontradas em todas as civilizações: Celta, indiana, persa, asteca, grega, egípcia e outras. Conscientemente ou não, Frank Baum criou uma alegoria clássica que, na mesma linha de Odisséia de Homero, entretém as massas e também contém mensagens místicas que podem ser entendidas pelos “despertados”.


O grade sucesso de o Mágico de Oz confirma o dogma espiritual da América (e do mundo ocidental). Escrito durante a década de 1890, quando a maioria dos americanos eram cristãos conservadores, a história de Baum antecipava o abandono progressivo da população das religiões tradicionais e a adoção de uma nova forma de espiritualidade. Movimentos de hoje como a Nova Era estão ganhando muitos adeptos e, mesmo sendo a maioria deles fraudes totais, todos eles afirmam ser inspirados pela Teosofia. Poderia tais contos terem contribuído para a queda do cristianismo nas últimas décadas, enquanto outros movimentos continuam a ganhar força?

Sem comentários:

Enviar um comentário

O Pantufa's Pop reserva-se o direito de remover comentários que contenham frases, palavrões, caracteres que sejam ofensivos e que estão em desacordo com o propósito do blog. O autor do comentário deve colocar seu nome e sobrenome para comentar.

Poderá gostar também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...